O desafio no diagnóstico da apendicite crônica

Contratar Plano Amil em Fortaleza
A apendicite crônica geralmente se refere a uma forma mais branda da doença. A apendicite crônica é muito rara e seus sintomas são menos pronunciados, em alguns casos até indetectáveis. 

A julgar por sua gravidade e taxa de desenvolvimento, a apendicite pode ser crônica ou aguda. A apendicite aguda é muito comum e é caracterizada por sintomas intensos e rápida taxa de progressão. A apendicite crônica tem uma incidência muito baixa nas pessoas e é caracterizada por sintomas mais leves, quase imperceptíveis e uma lenta taxa de progressão. Os sintomas gerais da apendicite têm caráter inespecífico. Embora a apendicite aguda seja considerada difícil de detectar, a apendicite crônica é quase impossível de detectar, baseando-se apenas nos relatos de sintomas dos pacientes. Por exemplo, enquanto pacientes com apendicite aguda experimentam dor abdominal, febre alta e náusea, pessoas com apendicite crônica podem experimentar apenas um estado generalizado de fadiga e doença. Os únicos meios eficazes para diagnosticar a apendicite crônica são análises ao sangue, endoscopia e tomografia computadorizada do abdome. 

A apendicite geralmente refere-se à obstrução do apêndice vermiforme e infecção bacteriana interna. O apêndice é uma extensão tubular do intestino grosso e acredita-se que sua função esteja relacionada ao processo de digestão.